Sábado, 27 de Outubro de 2007

Luzente Brilho Dos Amantes

 

 

Envolve a luminosidade

Ténue os sentidos desperta

Chama profunda de intensidade

O louco odor da paixão liberta

 

Recôndito refúgio aconchegado

Arde lenta subtil sugestiva

Brilha no escuro e incentiva

O momento tão desejado

 

As palavras sussurradas

Embaladas em puro prazer

Entre as sombras descaradas

Que a suave luz deixa ver

 

Lamparina Vela Candeia

Luzente brilho dos amantes

Companheira de tantos instantes

Sumida a noite clareia

 

Une no iluminar os desejos

O dócil roçar em sofreguidão

Sabor a mel nos delicados beijos

Guardiã dos segredos da paixão

  

 

Editado por Barão Van Blogh .

 


Publicado por @s às 17:49
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
73 comentários:
De Secreta a 29 de Outubro de 2007 às 09:16
O brilho que emana dos amantes , luz que guia è plenitude dos sentires!
Beijito.


De adrianeites a 29 de Outubro de 2007 às 14:07
"o louco amor da paixão libertA"

muito bom!


De adrianeites a 29 de Outubro de 2007 às 14:07
"o louco amor da paixão libertA"

muito bom!


De Andreia do Flautim a 29 de Outubro de 2007 às 19:20
Olá!

bonito poema!

boa semana!


De Olhos de Mel a 29 de Outubro de 2007 às 20:06
Olá Barão! Isso é amor é vida! Como entendo tudo que revela nessa bela poesia!...
Que sua semana seja feliz!
Beijos


De vieira calado a 30 de Outubro de 2007 às 00:20
Muito interessante a maneira como o poema está estruturado.
É importante a estrutura e você manobrou-a muito sabiamente.
Acerca do comentário que deixou no meu blog,
relativo ao Afonso Domingues,
e aquilo que se aprendia nos velhos tempos da primária,
devo dizer que também tive a felicidade de aprender coisa que, hoje, quando saem das secundárias, ainda não sabem!
Claro que não sou saudosista do muito de mau e péssimo que havia nesse tempo, mas há coisas que
me confrangem.
Há pouco ouvi na Antena 2 que, apenas temos atrás de nós, na UE, em matéria de investimento na cultura, a Roménia!
Um abraço.


De vieira calado a 30 de Outubro de 2007 às 00:22
Muito interessante a maneira como o poema está estruturado.
É importante a estrutura e você manobrou-a muito sabiamente.
Acerca do comentário que deixou no meu blog,
relativo ao Afonso Domingues,
e aquilo que se aprendia nos velhos tempos da primária,
devo dizer que também tive a felicidade de aprender coisa que, hoje, quando saem das secundárias, ainda não sabem!
Claro que não sou saudosista do muito de mau e péssimo que havia nesse tempo, mas há coisas que
me confrangem.
Há pouco ouvi na Antena 2 que, apenas temos atrás de nós, na UE, em matéria de investimento na cultura, a Roménia!
Um abraço.


De Magui a 30 de Outubro de 2007 às 02:17
Uma boa forma de expressar o lugar comum.Gostei.


De freyja a 30 de Outubro de 2007 às 05:18
querido amigo
una vez mas felicitarte por tu bella poesia llena de amor
eres un gran poeta
gracias por tus saludos y t compañia
que sea una hermosa semana y este smuy bien
besitos


besos y sueños


De Som do Silêncio a 30 de Outubro de 2007 às 09:01
As tuas palavras são fantásticas!
Ler-te para mim é um privilégio sem dúvida!
Deixo-te um Beijo Silencioso


Comentar post

Obrigado por visitarem este humilde albergue ...

Sobre mim

Frescos

Magia ou Fantasia

O Velho Do Realejo

Luzente Brilho Dos Amante...

Imagino

Nevoeiro Do Tejo

Piano Em (Des)Concerto

Vem

Quero(-Te)

Asas De Fogo

Mulher Menina

No sotão

Março 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Março 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Pesquisar neste blog

 

tags

todas as tags

Ilustres convidados

Estou no Blog.com.pt
SAPO Blogs

Subscrever feeds